A Campus Party vai se dividir?

A quarta edição da Campus Party nem bem acabou e já começam os preparativos para a sua quinta edição que acontecerá em janeiro de 2012.

Toda esta antecedência se justifica pelo tamanho do evento. Este ano foram mais de 6800 participantes que ficam acampados durante uma semana no local com seus respectivos computadores. Para isto é necessária uma imensa infraestrutura como 40 mil m2 de área, quatro mil pontos de rede, 30 km de cabos e 10 Gbps de acesso a Internet, além de alimentação, banheiros e segurança.

Apesar do planejamento para 2012 ainda estar no início algumas possíveis novidades começam a ser comentadas. A maior delas é que no próximo ano a Campus Party deixaria de ser um evento exclusivamente paulista e seria dividido entre duas capitais (São Paulo e Rio de Janeiro) ou até em três locais (incluiria Porto Alegre ou Manaus).

Estas especulações começam a fazer algum sentido pois o evento cresceu muito nestes quatro anos de vida e com isto surgiram uma série de problemas como quedas na conexão à Internet (o que é bastante grave), erros na segurança e falhas no fornecimento de energia.

Segundo a organização da Campus Party 60% dos Campuseiros são de fora da capital paulista, daí a ideia de realizar a CP em outros locais simultaneamente.

A pergunta que fica é: Será que esta possível divisão irá prejudicar a integração entre os Campuseiros? Afinal nem tudo são palestras e acesso a uma Internet super rápida.

O que faz da Campus Party um evento especial, na minha opinião, é a convivência de pessoas com conhecimentos tão diferentes como estudantes, professores, cientistas, jornalistas, artistas e empresários discutindo sobre assuntos que vão da robótica a música passando por redes, software livre, e entretenimento digital.

Pode-se instalar telões e transmissão simultânea de palestras mas mesmo assim o networking e o contato entre os participantes ficaria seriamente prejudicado. O que você acha?

É esperar 2012 para conferir..

Gilberto Sudre

Gilberto Sudre

Professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do ES - IFES. Consultor e Pesquisador nas áreas de Segurança Digital e Computação Forense. Coordenador do Laboratório de Segurança Digital e Perícia Computacional Forense – LABSEG. Integrante do Comitê de Tecnologia da OAB-ES. Instrutor na disciplina de Perícia Computacional Forense da Academia de Polícia Civil do ES – ACADEPOL. Instrutor da Academia de Computação Forense Livre. Membro do comitê técnico CB21/CE27 da ABNT sobre Segurança da Informação. Membro do Grupo de Pesquisa – Justiça e Direito Eletrônicos – GEDEL. Comentarista de Tecnologia da Rádio CBN, TV Gazeta. Articulista do Jornal A Gazeta, Revista ES Brasil e Portal iMasters. Autor dos livros Antenado na Tecnologia e Redes de Computadores e co-autor dos livros Internet: O encontro de 2 Mundos, Segurança da Informação: Como se proteger no mundo Digital, Marco Civil da Internet e Processo Judicial Eletrônico.

Website: http://gilberto.sudre.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CommentLuv badge