As fases de uma tecnologia

Estamos cercados de tecnologia por todos os lados. Para onde olhamos temos a presença de algum tipo de recurso tecnológico para nos ajudar no nosso dia a dia. O bom (ou ruim para algumas pessoas) é que a evolução não para.

Quem já não se assustou com a velocidade dos lançamentos de computadores ou celulares? Parece que toda a semana tem um novo produto a venda, com inovações em relação ao modelo anterior.

Por tudo isto é interessante entendermos que toda evolução tecnológica passa por algumas fases e saber como isto funciona pode significar economia de dinheiro e mais tranqüilidade na hora de trocar seu equipamento

A primeira fase de uma tecnologia está na sua invenção. Nesta etapa a criação não passa de notícia em um periódico especializado com a promessa de que no futuro estará disponível para o público.

Na segunda fase já é comum encontrarmos avaliações de produtos “comerciais”. Alguns poucos usuários mais ansiosos já compraram a tecnologia e a exibem como um Troféu. O preço dos produtos nas lojas está próximo da estratosfera (nesta etapa um aparelho de DVD custava perto de R$ 2000,00). Mesmo assim isto não assusta os primeiros compradores. Nesta fase ainda não dá para afirmar se a tecnologia vai cair no gosto do público ou não por isto cuidado. Por exemplo os videodiscos laser foram até este ponto e depois nunca se tornaram um produto realmente popular.

Se a tecnologia sobreviveu a segunda fase ela vai chegar ao grande público. Neste momento seu preço começa a cair rapidamente com a escala de vendas. Se você estava esperando, esta é a hora de embarcar na inovação tecnológica. Apenas observe o momento de adquirir seu produto pois os preços tendem a diminuir rapidamente. Nesta fase estão as TVs de LCD.

A terceira fase de uma tecnologia é a maturidade. Neste caso os produtos com esta tecnologia são encontrados em qualquer loja, já se tornaram um padrão de mercado e já não são uma novidade. Seus preços estão muito baixos. Por exemplo hoje temos aparelhos de DVD sendo vendidos a menos de 10% do valor de lançamento. Neste momento novas tenologias que podem substituir a atual começam a surgir (como por exemplo o BlueRay).

A quarta fase é a do declínio. Agora os usuários começam a substituir lentamente seus produtos por equivalentes de tecnologias mais novas.

A quinta e última fase é a da morte. Agora ninguém fala mais na tecnologia e os equipamentos compatíveis apresentam preços elevados. Por exemplo os aparelhos de vídeo-cassete VHS.

Praticamente todas as tecnologias passam por estas fases e reconhecer isto pode evitar muita dor de cabeça.

Gilberto Sudré

Gilberto Sudre

Professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do ES - IFES. Consultor e Pesquisador nas áreas de Segurança Digital e Computação Forense. Coordenador do Laboratório de Segurança Digital e Perícia Computacional Forense – LABSEG. Integrante do Comitê de Tecnologia da OAB-ES. Instrutor na disciplina de Perícia Computacional Forense da Academia de Polícia Civil do ES – ACADEPOL. Instrutor da Academia de Computação Forense Livre. Membro do comitê técnico CB21/CE27 da ABNT sobre Segurança da Informação. Membro do Grupo de Pesquisa – Justiça e Direito Eletrônicos – GEDEL. Comentarista de Tecnologia da Rádio CBN, TV Gazeta. Articulista do Jornal A Gazeta, Revista ES Brasil e Portal iMasters. Autor dos livros Antenado na Tecnologia e Redes de Computadores e co-autor dos livros Internet: O encontro de 2 Mundos, Segurança da Informação: Como se proteger no mundo Digital, Marco Civil da Internet e Processo Judicial Eletrônico.

Website: http://gilberto.sudre.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CommentLuv badge