Cafeteria não é escritório

A popularização do acesso a Internet acabou por permitir que muitas pessoas possam trabalhar de qualquer lugar. Hoje podemos navegar na grande rede através da tecnologia 3G ou a partir dos milhares de pontos de acesso sem fio espalhados por hotéis, aeroportos, estádios, restaurantes e principalmente cafeterias. É natural chegar a um destes pontos e encontrar uma coleção de notebooks em funcionamento.

Pessoalmente sou um usuário frequente deste tipo de acesso. Baseado na minha experiência vou relacionar algumas dicas de uso que acredito serem muito importantes para não termos problemas.

Primeiro cuidado com o tempo de uso. Estes locais não prezam pela ergonomia perfeita. Era de se esperar pois as mesas e cadeiras foram feitas para pessoas que vão fazer um lanche rápido. Evite utilizar estes locais por várias horas. Assim você não corre o risco de dores nas costas e braços e evita ganhar de brinde uma tendinite.

Outro problema é a iluminação que normalmente é fraca o que acaba forçando a visão. Em resumo, se você precisa trabalhar por longos períodos fora do escritório pense em alugar um espaço temporário, também chamado de escritório virtual.

Fique de olho nos seus pertences e seja discreto. Exatamente por concentrar uma grande quantidade de celulares, tocadores de MP3, notebooks e outros gadgets estes locais atraem os “amigos do alheio”, esperando uma distração sua para te dar um prejuízo. Dê preferência por mochilas que não chamem a atenção.

Como as baterias nunca duram o tempo que desejamos é normal precisarmos de uma tomada quando a carga está no fim. Em geral estes locais não possuem uma distribuição adequada de tomadas e as poucas que existem são sempre compartilhadas. Assim, além de procurar sentar perto de uma destas fontes de energia, é bom sempre levar dentro da mochila um “T”.

Uma constatação que fiz foi que nem sempre o acesso a Internet pago é melhor. Em várias ocasiões tive problemas e instabilidades com redes comerciais. Normalmente os acessos oferecidos gratuitamente são mais rápidos e oferecem um funcionamento mais estável.

Por último uma dica nada tecnológica. Aproveite que você está em uma cafeteria ou restaurante e varie o cardápio. Nestes locais é comum servirem cappuccino, chá gelado, pão de queijo e suco natural. Se você não está em guerra com a balança aproveite, só tome cuidado pois a mistura de líquidos, teclado e telas de LCD costumam não cair muito bem.

Gilberto Sudré

Gilberto Sudre

Professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do ES - IFES. Consultor e Pesquisador nas áreas de Segurança Digital e Computação Forense. Coordenador do Laboratório de Segurança Digital e Perícia Computacional Forense – LABSEG. Integrante do Comitê de Tecnologia da OAB-ES. Instrutor na disciplina de Perícia Computacional Forense da Academia de Polícia Civil do ES – ACADEPOL. Instrutor da Academia de Computação Forense Livre. Membro do comitê técnico CB21/CE27 da ABNT sobre Segurança da Informação. Membro do Grupo de Pesquisa – Justiça e Direito Eletrônicos – GEDEL. Comentarista de Tecnologia da Rádio CBN, TV Gazeta. Articulista do Jornal A Gazeta, Revista ES Brasil e Portal iMasters. Autor dos livros Antenado na Tecnologia e Redes de Computadores e co-autor dos livros Internet: O encontro de 2 Mundos, Segurança da Informação: Como se proteger no mundo Digital, Marco Civil da Internet e Processo Judicial Eletrônico.

Website: http://gilberto.sudre.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CommentLuv badge