Como falar com as crianças sobre privacidade e segurança na Internet

As crianças de hoje em dia parece que já nascem sabendo utilizar os recursos de tecnologia, por isto são chamadas de “nativos digitais”. A questão é que mesmo sendo “íntimos” da tecnologia as crianças muitas vezes não tem o discernimento sobre o que é perigoso ou não na Internet. A dúvida que muitos pais atualmente possuem é como conversar com elas sobre a privacidade e a segurança digital?

Para esta “conversa” podemos utilizar a própria tecnologia como uma forma de aproximação. Se o Pai ou a Mãe não tem intimidade com as redes sociais que tal pedir para que eles criem o seu perfil e aprenda a compartilhar as fotos? Sente ao lado do seu filho ou filha e converse sobre os aplicativos. Além de aprender como usar a tecnologia você pode aproveitar para identificar os riscos e explicar os perigos aos quais elas podem se expor e como se prevenir.

É importante estabelecer regras claras do que pode ou não ser feito na Internet e quando usar o celular ou tablet. Como as nossas mães sempre dizem, não conversar ou aceitar ofertas de estranhos e cuidado por onde navegar. Não é uma questão de proibir ou restringir mas de explicar quais são os riscos que existem e por que as regras ajudam na proteção online.

Ensinar não é só conversar mas também dar o exemplo, do tipo “não faça o que não quer que os seus filhos façam”. Assim dê o exemplo e cuidado com as fotos que você publica e os momentos que utiliza os dispositivos conectados a Internet. Seu comportamento está sendo observado pelos seus filhos e a tendência e de que eles façam o mesmo.

Utilizar o mundo físico como exemplo é uma boa ideia. Sempre que possível, ao explicar um comportamento de risco ou um perigo, utilize as ameaças análogas do mundo físico para ilustrar o que você está falando. Vai ficar mais claro e o entendimento mais simples. Por exemplo, imaginar os seguidores de uma rede social como pessoas que caminham cotidianamente atrás de nós, vendo tudo o que fazemos, escutando o que dizemos e presenciando cada uma das situações que vivemos. Parece assustador não?

Durante a conversa faça perguntas ao seu filho ou filha sobre seus comportamentos nas redes sociais, os cuidados com as configurações de privacidade, com quem conversam, se já presenciou algum evento de agressão entre outros.

As crianças podem conhecer e utilizar a tecnologia de forma fluida mas, em geral, não tem a maturidade para identificar os riscos, assim cabe aos pais ou responsáveis ajudar nesta questão.

Gilberto Sudré

Gilberto Sudre

Perito e Assistente Técnico em Computação Forense. Professor do IFES e coordenador do Laboratório de Pesquisa em Segurança da Informação e Perícia Computacional Forense.. Coordenador do Cisco Academy Support Center Ifes-ASC. Instrutor da Academia Cisco. Instrutor da Academia de Polícia do ES na área de Computação Forense. Professor da EMERJ - Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro no Curso de Aperfeiçoamento de Magistrados – Cibercrimes. Membro da Sociedade Brasileira de Ciências Forenses. Membro da HTCIA - High Technology Crime Investigation Association. Membro do Comitê Técnico CB21/CE27 - Tecnologia da Informação – Técnicas de Segurança da ABNT (Associação Brasileira de Normas técnicas). Membro fundador do DC5527, grupo local da Conferência Internacional de Segurança da Informação DEF CON. Comentarista de Tecnologia da CBN e TV Gazeta. Autor dos livros Antenado na Tecnologia e Redes de Computadores e co-autor dos livros Internet: O encontro de 2 Mundos, Segurança da Informação: Como se proteger no mundo Digital, Marco Civil da Internet, Processo Judicial Eletrônico e Tratado de Computação Forense.

Website: http://gilberto.sudre.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CommentLuv badge