Ferramentas para evitar que você seja monitorado na Internet

Desde a década de 70 vários rumores já informavam sobre a atuação do Echelon um projeto de monitoramento de comunicações eletrônicas, na época e-mail, voz e fax criado pelos serviços de inteligência do Reino Unido, EUA, Austrália, Canadá e Nova Zelândia. Pesquisas sobre este assunto revelam indícios de que ele foi criado em 1948.

Com a modernização da tecnologia de comunicação e o aumento da importância da Internet, a partir de 2007, durante a administração Bush, foi criado um projeto novo e muito mais abrangente chamado de PRISM.

Segundo as informações liberadas pelo ex funcionário terceirizado da NSA Edward Snowden, o PRISM tem a possibilidade de monitorar o Outlook, Yahoo e Gmail (e-mail e chat), Skype (conversas de voz e chat), atividades do Youtube, informações de perfis, mensagens, fotos e ações no Facebook, arquivos armazenados no Dropbox e atividades nos serviços da Apple.

A pergunta que fica é, como se proteger desta invasão de privacidade?

Em geral o caminho para proteção é o uso de métodos criptográficos dificultar o monitoramento. Vamos conhecer algumas ferramentas que ajudam nesta proteção.

Para a criptografia de e-mails (Gmail, Outlook e Yahoo) temos o Mailvelope (http://www.mailvelope.com/). Um plugin gratuito para os navegadores Chrome e Firefox que usa o OpenPGP para cifrar mensagens através de uma senha (chave) privada (escolhida por cada pessoa) e mantida em segredo e uma senha (chave) pública, derivada da senha privada, e descrita disponível publicamente.

Em relação a segurança dos chats podemos utilizar o OTR (http://www.cypherpunks.ca/otr/). Esta é uma ferramenta que funciona em conjunto com o comunicador instantâneo Pidgin (http://www.pidgin.im/) e criptografa toda a comunicação entre duas pessoas. É necessário que os dois lados da comunicação utilizem estas ferramentas.

Para salva de arquivos em espaços públicos como Google Drive, Dropbox ou SkyDrive a alternativa é salvar os arquivos criptografados. Um bom utilitário para isto é o Encript on Click (http://www.2brightsparks.com). Com ele você pode cifrar rapidamente e de forma simples definindo uma senha para permitir sua abertura.

Por último a proteção da nossa navegação na Internet. Neste caso a ferramenta indicada é o TOR (https://www.torproject.org/). O TOR protege suas informações em transito pela Internet distribuindo o fluxo de dados através de muitos canais de comunicação, todos de forma criptografada.

Lembre-se que estas ferramentas, todas gratuitas, apesar de eficientes não podem garantir 100% de segurança, assim prudência com suas informações privadas e cuidado com o local onde você as armazena não fazem mal a ninguém.

Gilberto Sudré

Gilberto Sudre

Professor do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do ES - IFES. Consultor e Pesquisador nas áreas de Segurança Digital e Computação Forense. Coordenador do Laboratório de Segurança Digital e Perícia Computacional Forense – LABSEG. Integrante do Comitê de Tecnologia da OAB-ES. Instrutor na disciplina de Perícia Computacional Forense da Academia de Polícia Civil do ES – ACADEPOL. Instrutor da Academia de Computação Forense Livre. Membro do comitê técnico CB21/CE27 da ABNT sobre Segurança da Informação. Membro do Grupo de Pesquisa – Justiça e Direito Eletrônicos – GEDEL. Comentarista de Tecnologia da Rádio CBN, TV Gazeta. Articulista do Jornal A Gazeta, Revista ES Brasil e Portal iMasters. Autor dos livros Antenado na Tecnologia e Redes de Computadores e co-autor dos livros Internet: O encontro de 2 Mundos, Segurança da Informação: Como se proteger no mundo Digital, Marco Civil da Internet e Processo Judicial Eletrônico.

Website: http://gilberto.sudre.com.br

4 Comentários

  1. diego

    Sei desenhar so que nao fiz curso oq fasso

  2. Izaias

    Um ótimo artigo sobre segurança na rede, além de um alerta sobre navegação anônima em tempos de espionagem

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CommentLuv badge