Você é viciado em celular?

Os celulares estão por toda parte e já são um dos equipamentos preferidos dos brasileiros. Hoje temos mais de uma linha habilitada por habitante do território nacional.

Uso de aplicativos mensagem instantânea, acesso a Internet, redes sociais, e-mails são alguns dos motivos de toda esta popularidade.

Apesar de todas as vantagens e benefícios alguns usuários de Smartphones exageraram no seu uso dando origem a uma doença já classificada e chamada Nomofobia, uma fobia ou sensação de angústia que surge quando alguém se sente impossibilitado de se comunicar estando em algum lugar sem seu aparelho de celular ou fora da área de cobertura.

A psicóloga Luciana Ruffo, do NPPI (Núcleo de Pesquisa da Psicologia em Informática) da PUC cita que este problema esta cada vez mais comum e dá algumas dicas para que você identifique se está se tornando um escravo do aparelho.

Segundo os pesquisadores a dependência do Smartphone geralmente está relacionada com o uso da Internet e interação através das Redes Sociais. O aparelho em si não passa de uma ferramenta que permite o acesso a estes recursos.

Um dos primeiros sintomas da Nomofobia é quando a pessoa começa a ficar irritada se o aparelho perde sinal. O passo seguinte é quando o usuário começa a evitar lugares sem conexão, incluindo partes da casa e até viagens para lugares ermos e sem cobertura. Em casos mais graves a pessoa começa a evitar sair de casa para não se encontrar pessoalmente com os conhecidos.

Os Familiares e amigos próximos costumam perceber primeiro a aproximação da dependência e frequentemente reclamam que a pessoa passa mais tempo em companhia do Smartphone do interagindo com as pessoas. Assunto tão comum que recentemente foi relatado em um filme no cinema.

Sintomas como dormir com o Smartphone do lado o levar o carregador junto quando sai de casa para não ficar sem bateria também indicam a dependência do aparelho.

O vício está mais relacionado com o tipo de uso que se faz do que com a quantidade de tempo que se passa com o aparelho. Por exemplo um profissional pode passar o dia todo grudado no Smartphone porque precisa dele para suas atividades mas quando esta em seu momento de lazer esquecer que pode acessar a Internet por ali.

O remédio ideal contra o vício em smartphone é se livrar dele de uma vez, mas em geral é uma ação que depende de muita força de vontade

Gilberto Sudré

Gilberto Sudre

Perito e Assistente Técnico em Computação Forense. Professor do IFES e coordenador do Laboratório de Pesquisa em Segurança da Informação e Perícia Computacional Forense.. Coordenador do Cisco Academy Support Center Ifes-ASC. Instrutor da Academia Cisco. Instrutor da Academia de Polícia do ES na área de Computação Forense. Professor da EMERJ - Escola da Magistratura do Estado do Rio de Janeiro no Curso de Aperfeiçoamento de Magistrados – Cibercrimes. Membro da Sociedade Brasileira de Ciências Forenses. Membro da HTCIA - High Technology Crime Investigation Association. Membro do Comitê Técnico CB21/CE27 - Tecnologia da Informação – Técnicas de Segurança da ABNT (Associação Brasileira de Normas técnicas). Membro fundador do DC5527, grupo local da Conferência Internacional de Segurança da Informação DEF CON. Comentarista de Tecnologia da CBN e TV Gazeta. Autor dos livros Antenado na Tecnologia e Redes de Computadores e co-autor dos livros Internet: O encontro de 2 Mundos, Segurança da Informação: Como se proteger no mundo Digital, Marco Civil da Internet, Processo Judicial Eletrônico e Tratado de Computação Forense.

Website: http://gilberto.sudre.com.br

3 Comentários

  1. Silvana Rocha

    professor,
    Estou no nono período de Psicologia e meu tema é vicio em internet, gostaria de indicações de leituras sobre o tema.
    Agradeço imensamente!

    • Olá Silvana,

      Obrigado pelo contato.

      Como não é minha área de atuação, infelizmente não tenho indicações para leituras neste assunto.

      Um abraço

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CommentLuv badge