Você já conversou com um computador?

 

Se você ainda não ouviu nada sobre os ChatBOTs com certeza vai. Muitas empresas grandes como Microsoft, Google, Apple, Facebook e diversos bancos estão investindo muito dinheiro nesta tecnologia.

Mas o que são os ChatBOT? Conhecidos popularmente como BOTs (uma abreviação de roBOTs), eles são basicamente um software que conversa com seres humanos usando nossa própria linguagem que pode ser tanto por texto quanto por voz.

Alguns exemplos de uso destes tipos de aplicativos são a Siri da Apple e o Google now, além dos assistentes pessoais que encontramos em alguns sites de companhias aéreas.

E como os BOTs funcionam? Em geral o BOT recebe a mensagem do usuário, a interpreta usando o processamento de linguagem natural (voz ou texto), e depois envia uma resposta de acordo com a sua lógica de programação interna. Um BOT pode usar recursos de inteligência artificial para decidir o que responder ao usuário e, ao longo do tempo, aprender com as conversas para ficar mais esperto.

Os ChatBOTs já existem há muitos anos, inicialmente empregados em sistemas de atendimento por telefone automatizado. Atualmente estão muito mais sofisticados com o uso da inteligência artificial e a possibilidade de armazenar e processar grandes volumes de dados com informações dos hábitos e comportamento dos usuários.

O fator definitivo para a popularização dos ChatBOTs foi o crescimento impressionante do uso dos Smartphones e dos aplicativos de mensagem instantânea. Agora estes aplicativos podem participar de grupos ou fazer contato diretamente com os usuários respondendo as suas perguntas. Este recurso possibilita as empresas oferecer serviços a seus usuários através dos aplicativos de mensagens que eles já utilizam, sem a necessidade de se baixar e instalar um novo app.

A maior reclamação dos usuários é que ainda não temos software suficientemente inteligente para que as conversas sejam naturais e eficientes o que pode levar, em alguns casos, a frustração no seu uso.

É certo que podemos esperar muitas novidades e uma grande evolução para os próximos anos. Estamos observando apenas o início do desenvolvimento de uma nova ferramenta.

Fique atento pois você já pode ter conversado com um programa de computador e talvez nem tenha notado.

Gilberto Sudré

Gilberto Sudre

Professor e Pesquisador da FAESA – Centro Universitário e IFES - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do ES. Coordenador do Laboratório de Pesquisa em Segurança da Informação e Perícia Computacional Forense - LABSEG. Perito e Assistente Técnico em Computação Forense. Instrutor da Academia de Polícia do ES na área de Computação Forense. Membro da Sociedade Brasileira de Ciências Forenses. Membro da HTCIA - High Technology Crime Investigation Association. Liderança do Singularity University - Vitória Chapter. Membro fundador do DC5527, grupo local da Conferência Internacional de Segurança da Informação DEF CON. Articulista do Jornal A Gazeta. Autor do Blog Conexão Digital. Comentarista de Tecnologia da Rádio CBN e TV Gazeta. Autor dos livros Antenado na Tecnologia e Redes de Computadores e co-autor dos livros Internet: O encontro de 2 Mundos, Segurança da Informação: Como se proteger no mundo Digital, Marco Civil da Internet, Processo Judicial Eletrônico e Tratado de Computação Forense.

Website: http://gilberto.sudre.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

CommentLuv badge

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.